Dois Magos e um Destino

6 mar 2013

- E agora, a próxima atração no Estádio do Patrocínio! O último confronto do torneio deste ano! Como vocês sabem, a cada ano trazemos um novo desafio, capturado dos confins desse planeta. Praiek e Engelvix vieram de um reino distante especialmente para enfrentar o torneio e estão perto do fim de sua jornada! Será que vão sobreviver ou terão viajado à toa? O desafio deste ano é um elemental de Terra! Que comece a luta!

Os dois magos se olham apreensivos no meio da arena. Prajek, de barba e cabelo castanhos, com um manto acinzentado de um brilho especial, quase como se o manto fosse metálico. Engelvix, sem barba e de cabelo preto bem penteado, fazendo um topete, com um manto de lã crua aparentemente cheio de poeira, ou envelhecido.

- Elemental.

- É...

Debaixo das arquibancadas ao norte, os portões se abrem para a saída de um monstro. Uma criatura feita de rocha, quase um gorila, mas muito maior.

Os magos se afastam um do outro correndo, o elemental persegue o prateado até encurralá-lo contra a parede da arena. Sem esperar, o elemental golpeia rapidamente com os braços. Seus braços passam através de uma luz estranha, que logo some: Praiek não está mais lá.

Um brilho forte vem das costas do monstro. É uma magia lançada por Engelvix.

O monstro se vira, tentando golpeá-lo, mas o mago se esquiva.

Um raio de luz acerta a criatura, que se vira procurando a fonte. Logo a encontra adiante, o elemental corre em direção a Prajek.

O público vibra e torce com entusiasmo. Como toda final de torneio, a arquibancada está cheia e os investidores do torneio certamente ficarão muito felizes com o resultado da arrecadação com as entradas.

Na arena, a luta continua. Prajek se teleportando para distrair o elemental, enquanto Engelvix tenta se posicionar da melhor forma e atacar com magias sempre que pode.

De repente, um grito monstruoso. Um grito de desespero que faz todos os espectadores prenderem a respiração por um momento. O elemental cai sobre o chão, já sem vida. Aos poucos o silêncio explode numa estrondosa comemoração. Não é todo ano que o tornei tem um vencedor. Todos se lembram do ano anterior, por exemplo, quando o arqueiro Robles foi trucidado por um gigante do gelo.

Cornetas começam a tocar um música alegre e aquela voz novamente ecoa no lugar.

- A organização do Estádio do Patrocínio parabeniza os magos Prajek e Engelvix pela vitória do torneio deste ano. Podem vir receber o prêmio.

Os dois se olham e sorriem, então vão até o outro portão, agora aberto.

Na sala, eles veem dois baús e um segurança do estádio.

- Podem pegar os dois: são seu prêmio.

Os dois abrem os baús. Um deles tem 3.000 peixes, a moeda local. O outro traz...

- Uma espada de madeira?

- Não é só uma espada de madeira, Prajek. É a Drureskan, o artefato que eu procurava.

- Para que você quer uma espada de madeira?

- Uma espada de madeira com propriedades similares à metálica, exceto que pode ser manuseada por nós sem qualquer prejuízo.

- Hmmm... E como você sabia que ela era o prêmio deste ano?

- Eu vi além do nosso tempo: é o meu caminho.

- Tudo bem então. Mas sinceramente, acho que nunca vou entender os magos sépias...

Calendário D12

5 mar 2013

Calendário D12

Este é um serviço de (in)utilidade pública! Que tal um calendário exótico, no formato de um dodecaedro?

Ole Arntzen fez - e já faz tempo pra caramba - um script que gera o calendário em PDF, a partir de um formulário web. Ou seja, depois basta você recortar, dobrar e colar para que possa desfrutar desse calendário peculiar.

Também gera calendário em Português!

Dias Depois do Dia

4 mar 2013

Percorro toda a sua face
Co'a perícia do mais hábil escultor
Meus olhos tocam seus ângulos
Co'a precisão de um raio de Sol

A melodia que deixa seus lábios
Transforma em festa um dia ruim e frio
O brilho incerto e belo dos teus olhos
Me faz ter pena de quem nunca te viu

Não era bem a intenção
Mas mesmo assim previ sua chegada
Não é tão estranho, afinal
Sentir no vento a pessoa amada

-- Cárlisson Galdino

Engenho: 

Blogópolis #43

3 mar 2013

Senado

Segundo a Wikipedia, "Renan Calheiros cumpre seu terceiro mandato no Senado Federal do Brasil, (1994/2002 - 2002/2010 - 2010/2018) como representante de seu estado natal.[1] Foi Presidente do Senado Federal do Brasil de 2005 até 2007, quando renunciou ao cargo, após várias denúncias de corrupção contra si polarizarem a opinião pública." Hoje, mesmo ainda não tendo sido resolvidas as denúncias feitas contra ele naquele tempo, ele se torna novamente presidente do Senado.

Segundo o Congresso em Foco, "O senador é acusado de desvio de dinheiro, falsidade ideológica e uso de documento falso. Renan ainda responde a dois inquéritos no Supremo, um por crime ambiental e outro por tráfico de influência."

Apesar de protestos mais diversos, ele continua lá, diminuindo ainda mais a credibilidade em Brasília e envergonhando nosso estado.

Há 7 anos, uma poesia que seria uma música sobre vampiros: Fótons Fatais

Direto do @carlisson no Identica:
Direto do @carlisson no Identica:
Direto do @carlisson no Identica:
Direto do @carlisson no Identica:
Direto do @carlisson no Identica:

Direto do @carlisson no identi.ca:

  • @pensadorlouco Interessante. Tem contos publicados?
  • Soul Calibur V por $ 15.50 (tanto PS3 quanto X360) no eStarland http://ur1.ca/cpwgo
  • @pensadorlouco E onde a gente pode encontrar seus contos?

Tirinhas, posts e podcasts da última semana:

ArtigoFontePeso
Manifestantes voltam a pedir a saída de RenanCongresso em Foco6
Faixa de PedestresTrezentos5
1032 - Tardígrado - Um Sábado Qualquer4

Dica para um processamento mais rápido - Vida de Programador
3
FirefoxOS - novidades vindas de BarcelonaSoftware Livre-Mobile3
Tem assistido Big Brother? - Talco e Show2
Análise de Redes com NmapRevista Espírito Livre2
Asteroides, meteoros e aerolitos (351)Nerdcast2
Capitão Brasil #671
13 anos de Funções ZZ: versão nova 13.2BR-Linux1
A linguagem como parte integrante da user experienceTableless1
Como fazer deploy de Apps para o HerokuPinceladas da Web1
BYOD, Uma nova Onda?Lucas Leão1
Dos livros medianos e da leitura dinâmicaQuitandinha1
Firefox OX, Ubuntu, Tizen e Sailfish: os novos rivais do Android e do iPhoneiG Tecnologia1
Mini MingauPensador Louco1
Nintendo quer combater a pirataria online; Brasil, entre os casos mais graves, é um dos países-alvoNintendo Blast1
The Pirate Bay 'muda' de nome para provocar autoridadesOlhar Digital1

Foto do post: Senado Federal - Brasília - DF, de Arnoldo Riker.

Special: 

Agenda Mundial #02 - A Promoção

2 mar 2013

“Sabe quando alguém te diz: ‘vou te dar o presente, mas você é quem paga’?”

Agenda Mundial #02 - A Promoção

Segunda-feira, depois da primeira aula de Boxe, Claudia e Herbert conversam com o professor Bart.

- Gostaram da aula?

- Meio puxado, mas é bacana.

- É claro que é. Vocês vão ver como desestressa a gente. Claudia Cardoso Muniz, correto?

- Sim.

- Parabéns pela viagem! Vai ser uma viagem muito massa. O Sertão é amigo do dono da academia e vai estar lá falando da carreira dele.

- Sertão?

- Valdemir! Ele já foi campeão mundial no Peso Pena. Hoje está aposentado do Boxe, mas vai lá dar uma força. O bom é que você vai poder ver a palestra dele pra quem sabe se motivar mais ainda.

- Legal, mas pensei que fosse uma viagem a turismo. - Herbert comenta, de um jeito misterioso.

- Ah, mas ela vai poder sair pra conhecer a cidade também! A palestra é só na sexta.

- Que sexta!?

- Dia 22! Nos outros dias você pode ficar lá pra conhecer a academia ou dar uma volta na cidade. Afinal, é uma semana inteira por lá!

- Uma semana!? Mas eu não posso me afastar uma semana!

- E ela vai ficar onde?!

- Calma gente! Na academia! Lá tem alojamentos.

- Ah, isso não tem condições, Claudia! Ficar dormindo numa academia?

- Bom, vocês conversem um pouco se quiserem. Você não é obrigada a ir. Só digo que vai perder uma oportunidade muito boa de conhecer o Sertão.

- Que Sertão!? Eu sabia que aí tinha coisa! Ganhar viagem...

- O que está me incomodando mais, Bart, é essa história de ficar uma semana por lá. Pra quando é a viagem?

- Planejamos para o dia 16, voltando dia 23.

- No sábado... Vai mais alguém?

- Ah, vai um grupo de João Pessoa também, eles fizeram uma promoção parecida. É uma parceria entre as nossas academias. Esse ano quero...

- Alguém daqui?

- …ver se trago... Quê? Ah, sim! Meu irmão vai também. Eu é que não vou porque tenho que administrar aqui e dar as aulas.

- Vamos conversar. Só vou com duas condições: se puder mudar a data da viagem pra quinta pelo menos, voltando no domingo, e se eu puder ficar hospedada em um hotel.

Herbert olha contrariado, enquanto o professor Bart pensa.

- A passagem dia de sábado é mais barata. De domingo é quase o dobro. Sobre o hotel, também seria gasto a mais. Até o Sertão vai ficar hospedado lá na academia mesmo!

- Mas não tem sentido pra mim. Então vou ter que desistir da viagem.

- Espere... Vamos fazer um acordo melhor: se você pagar o seu hotel e prometer que vai estar lá representando os alunos da nossa academia na sexta-feira, eu mudo o dia da viagem pra quarta.

- Já disse que isso me causa problemas. Eu também tenho que dar aula.

- Mas é só um dia a mais, pra você aproveitar a viagem e conhecer a cidade! Vamos, temos um acordo?

- Hmmm... Não sei. Tenho que ver na escola se posso faltar. Até quando tenho que dar a resposta?

- O mais cedo possível, antes que as passagens aumentem.

- Amanhã a gente passa aqui, né Herbert?

- Tá legal.

Os dois saem e entram no carro.

- Tem aula hoje?

- Tenho mais tarde. Você vai viajar mesmo?

- Claro, se a escola deixar!

- Tudo bem...

- Que foi? Você não tava aí se gabando que ia ganhar a viagem?

- É, vá lá. Olha, esse Bart é muito esperto, sabia? Mudar uma viagem de sábado pra quarta não deve ser muito caro. Você devia pagar essa diferença e ele pagar seu hotel.

- Também pensei nisso, mas eu mesma pagando o hotel, eu posso escolher o que me agradar. Se eu coloco essa escolha na mão do Bart, do jeito que é mão de vaca vai terminar alugando uma pousada de beira de estrada.

- Nisso você tem razão. E a escola?

- Vou falar com a direção amanhã. Você devia vir comigo pra Fortaleza!

- Seria bom! Vou ver no trabalho o que pode ser feito.

Programas antigos no Windows: OCX + Vista

28 fev 2013

Foi necessário instalar um software em um dos computadores daqui da instituição. O problema: o Windows Vista e as dependências OCX.

De início, a instalação funcionou corretamente, mas apenas no usuário Administrador. Ao executar como usuário sem privilégios, o programa reclamava do registro de uma biblioteca OCX. Tentei várias soluções e cheguei finalmente à resposta. Para resolver essa dependência, pelo menos o que funcionou comigo, basta:

  1. Copiar o arquivo OCX da pasta Windows\System32 para a pasta do programa que está tentando executar
  2. Desregistrar o OCX com o comando regsvr32 /u ARQUIVO.OCX
  3. Abrir o programa como administrador

Ao fazer isso, o programa continuou sem funcionar como usuário normal, mas pedia outra dependência OCX. Assim, bastou repetir esse procedimento para cada OCX que ele pediu e chegou um momento em que o programa simplesmente funcionou!

Bibliotecas são uma coisa muito boa, mas têm suas desvantagens. Por isso é tão bom viver sob um Sistema Operacional com um controle de dependências eficiente e prático como Debian e derivados. :-)

Special: 

Revista Espírito Livre #42 e LibreOffice Magazine #3

27 fev 2013

Já estão no ar: mais uma edição da Revista Espírito Livre trazendo como tema o evento da revista (e sem o episódio de Warning Zone que deveria trazer); e a nova edição da LibreOffice Magazine, desta vez trazendo como matéria de capa o novíssimo LibreOffice 4.0. Confiram na Banca do Bardo ou nos sites das revistas:

Special: 

Geany é um Editor (ou não)

26 fev 2013

Quem é usuário avançado de computadores (administradores de sistemas, analistas, programadores esporádicos) sempre precisam de um bom editor de código-fonte. Bom e simples, leve e funcional. Quem programa profissionalmente certamente preferirá IDEs, mas mesmo entre esses ainda há quem aprecie um editor menos carregado.

Por isso o CyanPack inclui um editor de textos simples, voltado para código-fonte. Já houve época em que incluiu até mais de um. Hoje o software que atende a essa função é o Geany.

Geany em ação

Segundo o site do projeto, Geany é uma IDE pequena e leve, desenvolvida para ser rápida, tendo pouca dependência de outros pacotes. Outro objetivo é ser tão independente quanto possível de um ambiente Desktop como o KDE ou GNOME, sendo feita com uso apenas das bibliotecas GTK2 padrão.

Mesmo assim, ainda consegue apresentar características muito interessantes:

  • Destaque sintático
  • Ocultar/exibir blocos de código
  • Autocompletar de palavras-chave
  • Autofechamento de tags HTML e XML
  • Suporte às linguagens: Abc, ActionScript, Ada, ASM, C, C#, C++, CAML, CMake, Conf, CSS, D, Diff, Docbook, F77, Ferite, Fortran, FreeBasic, GLSL, Genie, HTML, Haskell, Haxe, Java, Javascript, LaTeX, Lua, Make, Markdown, Matlab, NSIS, Pascal, Perl, PHP, Po, Python, R, reStructuredText, Ruby, Sh, SQL, Tcl, Txt2tags, Vala, Verilog, VHDL, XML e YAML
  • Lista de símbolos
  • Navegador de código
  • Sistema de compilação e execução do código
  • Gerenciamento simples de projeto
  • Emulador de terminal embutido
  • Plugins
  • Traduzido para vários idiomas (incluindo Português)
  • Versões para Linux, FreeBSD, NetBSD, OpenBSD, MacOS X, AIX 5.3, Solaris Express e Windows (e provavelmente qualquer plataforma que disponha de um compilador C e suporte as bibliotecas GTK)
  • Escrito em C, lançado sob a licença GNU GPL

Geany está no CyanPack tanto na forma de um instalador para Windows, como fazendo parte do Trisquel personalizado que vem no DVD (no menu Desenvolvimento). É, pelo jeito o Geany não é só um "editor simples de código-fonte", mas não deixa de ser bem útil e leve!

Special: 

O Vulto da Morte Brutal

25 fev 2013

Uma branca luz
Não sei de onde vem
Uma branca luz
Parece vir de alguém

Ainda posso vê-lo
Seus traços claros
Seus trajes caros
Seus cabelos

Ainda posso vê-lo
Bem na minha frente
Transparente
Como um pesadelo


Na outra calçada
Seus cabelos longos
Seus trajes brancos
Figura apagada

Na outra calçada
Quase a flutuar
À luz do luar
Uma alma penada


Parava quem via
Não tinha sentido
Tomava os ouvidos
Fria sinfonia

Parava, quem via
Estava perdido
A um simples gemido
Da estranha cria


E prega a crença
Que morrido havia
E os vivos trazia
Qual por penitência

E prega a crença
Depois desse dia
Que quem não morrria
Vivia em demência

-- Cárlisson Galdino

Páginas