Escarlate II #32 - Perto da Fronteira

11 dez 2010

A guerra havia acabado. Ou pelo menos dado uma trégua. Metade dos soldados de Noak estava lá, como reféns voluntários ou não, feridos ou não. A outra metade ou morrera ou fugira. De qualquer forma, tudo já estava sob controle enquanto Plórius se aproximava da fronteira, acompanhado por Zand, Viex e Breig. Era o que seus homens diziam quando vinham justamente da fronteira à sua procura.

- Não podemos continuar. Vamos descansar por cinco horas e então seguiremos para Ey Vudeon. - Plórius comunica aos demais. - Já há uns dias estamos nessa viagem, e ainda levaremos mais uns dias até chegarmos lá. Mas temos que prosseguir, não há tempo a perder.

- Gostaria de aproveitar o momento então para informar que eu próprio não os acompanharei. - É Viex quem toma a palavra. E antes que os outros demonstrem suas indagações, ele se prontifica e continua. - A disputa contra os Raxx deixou o reino de Noak. É muito importante localizá-los, não só para fazê-los pagar pelo que fizeram como para previnir que não vão fazer de novo aqui ou em qualquer outro reino do continente. Porém, Noak está um caos agora. Tenho que voltar para Beniw e tentar por um pouco de ordem na casa, enquanto esperamos a chegada de Aux Fuzeddin para retomar as rédeas do reinado.

- É justo. - Zand comenta simplesmente.

Breig, um tanto inquieto, termina anunciando também:

- Eu vou junto para Beniw. Preciso ver como está Uglu. E, quando estivermos bem, talvez eu o procure, Zand, ou talvez não tenha mais sentido fazer isso e a gente busque nosso lugar novamente na Diabo M.

- Muito obrigado aos dois. Foram aliados fundamentais em toda essa missão. Tenho que admitir que sem ajuda de vocês eu não teria chegado até aqui.

- Não seja modesto. - Viex responde com um sorriso no rosto. Então se vira para Breig. - Breig, dormiremos também e partiremos para Beniw amanhã, na mesma hora que eles partirem, ok?

- Por mim tudo bem.

Zand olha para o pequeno bastão escrito E-60.

- Fique com ele, colega! Aceite como um presente cortês de um colega de profissão do país vizinho.

- Muito obrigado.

- Espero ainda te ver por aí. É muito bom conhecer colega de profissão e de tanta competência. Apesar de parecer que você anda um tanto enferrujado como bardo...

- Verdade.

- Vamos preparar nossas instalações! Não podemos perder tempo! - Plórius fala e sai para dar ordens a alguns subordinados.


 

“Zand... O que será que isso significa? Eu já estava firmado como Tzarend quando encontro a lira que Knova fez para mim. E assim, Knova traz Zand de volta. Tanto o bardo como a identidade. Até onde vai esse nosso romance? Ela me 'ajudou'?”

E eles dormem aquela noite. Certamente ainda se passará um dia inteiro até que cheguem na fronteira de Noak com Wimow, e uns dias até chegarem de volta a Ey Vudeon. Zand dorme, olhando as estrelas e relembrando momentos com aquele dragão vermelho que tanto amou.

Avalie: 
No votes yet

Comentar