Paranormal

6 mai 2013

A toda noite sinto tua presença
Sei que está longe, mas isso não cala
A sua voz, que ouço quando pensa
O seu sussurro, sempre quando fala

É só fechar os olhos e uma imensa
Paz zen me vem pelas flores que exala
Que vence o espaço-tempo e nada a vença
Nem capital, blackout, pane ou bala

Me infectaste com um só olhar
O vírus grego, o vírus menino
E nada há que eu possa, pra escapar

Mas me rejeita seu beijo divino
Dá razão de viver, vida não dá
Como entender tão estranho destino?

-- Cárlisson Galdino

Agenda Mundial #11 - Depois da Aula

4 mai 2013

Depois de certas coisas, a vida não volta mais ao normal.

Agenda Mundial #11 - Depois da Aula

Tudo começou com um estranho incidente em uma viagem a Fortaleza. Justo na escala em Salvador, Claudia Muniz fora abordada por um estranho sujeito no banheiro feminino, que exigiu dela um favor incomum: ficar de posse de um tablet e procurar um tal de Francis para lhe entregar. A viagem prosseguiu normalmente e Claudia voltou para casa. O tablet veio junto.

Sábado, ao chegar, Claudia e o namorado, movidos por curiosidade, terminaram descobrindo a senha do tablet. Isso foi há dois dias.

 

Mais um dia de aula. Claudia gosta de ser professora, apesar de toda a correria.

A aula termina e os alunos juntam o material para sair.

“Sem perguntas. Eles não estão estudando. E parece que nem prestam atenção na aula.”

Ela pega suas coisas e sai da sala.

“Ou sou eu que não estou conseguindo me concentrar direito?”

Parada à porta da sala, observa as árvores no pátio. A cidade está muito quente, principalmente perto do meio-dia.

- Professora? Está tudo bem?

- Está sim, Ingride, obrigada.

- Então tá.

- Até quarta.

- Até.

São pouco mais de onze horas e Claudia caminha para a saída. Antes mesmo de chegar ao portão da escola, ouve uma voz.

- Senhorita Muniz?

Ela se vira procurando a origem da voz e encontra um homem já de certa idade, com muitos cabelos brancos. A roupa é social leve, com uma camisa listrada azul e branca.

- Pois não?

- Gostaria de conversar, se puder me conceder cinco minutos do seu tempo.

- Diga.

- Para não atrasá-la, poderíamos ir andando.

Claudia suspira.

- Vamos voltar? A gente conversa na sala de professores.

O homem balança a cabeça pensativo.

- Tenho razões para preferir que essa conversa não seja... diante de seus colegas de trabalho ou de seus alunos.

Claudia o encara surpresa, com uma certa inquietação e desconforto.

- Perdão, senhorita. Ainda não me apresentei. Sou Caio.

Agora é Claudia quem balança a cabeça pensativa.

- Caio de quê? Qual o assunto que você quer tratar?

- Sinto pelo seu desconforto. Me acompanha ao menos até próximo ao portão?

“E se houver mais comparsas dele me esperando.”

- Não. Que assunto você quer tratar?

Ele olha para os lados calmamente e fala baixo.

- Não posso falar assim, onde outros possam ouvir. Garanto-lhe que é assunto de seu interesse. E do meu também, claro. E de Francis.

Claudia se esforça para conter a surpresa daquele nome.

- Vejo que estava certo. Parte das perguntas não precisam mais ser feitas. A parte que lhe interessa tem a ver com o risco que a senhorita corre agora, neste momento.

- Risco?

- Sim, e o que eu quero é te ajudar.

- Que risco? E que assunto!?

- Você sabe do que estou falando.

- O tablet...

- Por favor...

A expressão calma de Caio muda e ele olha com desconfiança ao redor, antes de falar novamente.

- Não faça isso. Você não faz ideia do risco que corre.

“Risco... Risco...”

- Cansei dessa história, senhor... Caio. O que quer afinal?

- Você me entrega o que eu quero, nós ficamos todos bem e você se livra desse problema.

“Ele quer o tablet!?”

- Não sei se seria prudente.

- Tudo bem, como podemos fazer então?

- Não sei...

- Tenho uma sugestão: por que não almoçamos juntos e eu conversamos com mais calma, de preferência em algum lugar mais reservado?

- Não, obrigada!

- Olha, senhorita, eu garanto que não estou te enganando: há mais pessoas à sua procura e elas talvez não sejam tão corteses quanto eu. Um almoço?

- Tudo bem. - Responde Claudia, relutante – Mas não agora. Uma da tarde.

- Pode ser. Então uma hora no restaurante da Carajás.

ACALA participa do 6º Bookcrossing Blogueiro

1 mai 2013

Organizado pela colega blogueira Luma, do blog Luz de Luma, o Bookcrossing Blogueiro chegou recentemente à 6ª edição. Para quem não sabe do que se trata, vamos tentar explicar um pouco.

Bookcrossing é como é conhecida a prática de "perder livros", na qual pessoas abandonam livros de propósito em algum lugar geralmente movimentado, para que alguém os encontre e termine pegando gosto pela leitura.

O BookCrossing Blogueiro é uma iniciativa desse tipo, organizada na Blogosfera, incentivando os blogueiros a "perderem seus livros". Cada edição estabelece um período de tempo no qual os livros serão deixados nos locais públicos.

Eu já participei da iniciativa no passado e este ano tentei mudar um pouco a participação. Para os que não sabem, faço parte da Academia Arapiraquense de Letras e Artes como membro efetivo. Assim, aproveitei a última assembleia para anunciar a proposta: "perdermos" livros de acadêmicos. Felizmente, consegui juntar alguns títulos. Vejam só:

  • ACALA - História e Vida (4 exemplares)
  • Chuva Estelar, de Cárlisson Galdino (5 exemplares)
  • Desafio, de Cícero Galdino (3 exemplares)
  • Jasmim, de Cárlisson Galdino (5 exemplares)
  • Meditar é Viver, de Claudio Olimpio (5 exemplares)
  • O Bandeira e as duas Redes Brancas, de de Manoel André (4 exemplares)
  • O Despertar da Existência, de Claudio Olimpio (1 exemplar)
  • Sussurros do Maçacará, de Carlos Conceição (2 exemplares)
  • Um Novo Despertar, de Inês Amorim (5 exemplares)
  • Virtudes da Alma, de Claudio Olimpio (4 exemplares)
  • Além de alguns exemplares do Informativo ACALA. alguns livros de outros autores e cordéis

É, até que foram um bocado de livros! Espero que quem encontrou um desses livros possa apreciar bons momentos com ele.

Special: 

Sempre Faltará

29 abr 2013

Faltará sempre assunto a conhecer
Para todos os que se julgam sábios,
Para quem deixa escapar dentre os lábios:
"Domino toda a fonte do Saber".

Não tão mais perto está quem tenta crer
E com justeza, que o grã dom dos sábios
Não deseja por morada palácios
Que, com arrogância, esbanjam poder

Quem não deseja levitar na asa
Tão divina, magnífica, dourada
Dada apenas àqueles que a merecem?

Sabedoria sabe escolher casa
Não se engana com a prata ostentada
Tem pedras que bem mais que nós conhecem

-- Cárlisson Galdino

Agenda Mundial #10 - Tablet pra Dois

27 abr 2013

Será que a curiosidade pode poupar o gato?

Agenda Mundial - Tablet pra Dois

Em casa, Claudia e Herbert se olham sentados no sofá. A dois passos, a mala aberta. Diante deles, o tal tablet que Claudia pegou em Salvador.

- Esse é o tablet?

- É.

- GWDHC... Que marca é essa?

- Não faço ideia.

- Já ligou?

- Já sim. Ligue pra ver.

- Vamos lá...

Herbert liga o dispositivo e espera atentamente a inicialização concluir. A imagem fora de sintonia se mexe, com partes se rearrumando enquanto a sintonia volta, aos poucos. Ao fim, lá está aquela foto de novo.

- Caramba... Era dele?

- Era. Você conhece?

- Não, mas apareceu na televisão que ele foi assassinado, não foi?

- Ai, Herbert, é disso que eu estou falando! Ele foi morto por causa disso! E quem matou queria que eu encontrasse um tal de Francis para entregar.

- Vamos ficar calmos, tá? Isso pode ser algo grande. Pode ter a ver com o Governo, já que estava com um político, não é? Tipo, pode ter a ver com a Ditadura ou algo como Wikileaks...

- Wikileaks...

“Se fosse wikileaks não estaria com um político, estaria? Ainda mais um antigo. Estaria com algum grupo que divulga as coisas. … Poderia ter sido roubado de alguma ONG pelo político, mas... E a foto dele? Não, isso é dele.”

- Acho que não, Herbert. E esse GWDHC?

- Pode ser um produto chinês. Você já viu as marcas que aparecem por aí? Cada uma mais estranha que a outra!

- É, eu pensei nisso também...

- Já tentou entrar?

- A gente devia entregar isso à polícia.

- Está maluca? E se esse Francis aparecer atrás dele?

- Hmmm...

- Vamos ver... 12345.

- O que está fazendo!? Tá doido?

- É uma senha comum de se usar!

- Pare com isso!

- Ah, não foi. Qual o partido dele mesmo?

- PSDB.

- Ah, você conhece?

- Pesquisei um pouco sobre ele, mas...

- Não foi também.

- Para com isso! E se bloquear?

- O que acontece? Nada demais ué! A gente já tá lascado mesmo!

Os dois se olham com cara de espanto e logo sorriem.

- Tá, tudo bem. Vamos pesquisar sobre ele. - Claudia se levanta e é seguida pelo namorado até o computador.

 

- Pelo menos tem algo bom: até agora ainda não bloqueou.

- É verdade.

- Ele era do PFL e foi para o PSDB. A senha não é nenhum dos dois partidos.

- Podemos começar a usar números que ele usou em campanha.

- Vamos ver se descobrimos.

 

- Foi!

“O primeiro número de candidato que ele usou, seguido do partido atual, separado por exclamação.”

A tela abre mostrando alguns ícones. Há um aplicativo “Notes”, uma... Calculadora? No final dos aplicativos há cinco arquivos. Devem ser arquivos, já que o ícone dos cinco é o mesmo. Os nomes, porém, são códigos estranhos.

- Vírus?

– Arquivos.

- E por que os quatro estão com o nome assim?

- Quatro?

Herbert aponta para o primeiro deles. Está escrito “Água”.

Os dois olham com um frio na barriga. No fundo da tela, o ícone da GWDHC como marca d’água.

BR-Láctea

22 abr 2013

A vida na luz dos sonhos reluz
Tudo o que produz é pra si amparo
No raro momento de paz ao vento
Sem o tormento de estar em apuros

A alma com furos em pleno escuro
No muro futuro se sente segura
A esperar a volta do próprio existir
Existindo sempre pelo que há de vir

E os sonhos que sempre se mostraram sem defeito
Ao ver que nenhum deles foi satisfeito
Vê que não tem mais jeito: terá que seguir

E a estrada tão distante tão irreal
Que nos leva ao país do carnaval
Nos espera com seu asfalto negro-jasmim

-- Cárlisson Galdino

Engenho: 

Blogópolis #50

21 abr 2013

Árvores

Chegamos à 50ª edição de Blogópolis! Isso por um lado é bom, afinal é sempre bom quando conseguimos cumprir com projetos. Por outro lado, tenho uma má notícia: devido ao recente e brutal encurtamento do meu tempo livre, Blogópolis vai ser engavetada. Talvez volte no futuro, ainda não sei.

Então, continuem visitando o Bardo WS (que infelizmente atualizarei também com pouca frequência) e me acompanhem no identica.

Há um ano era publicado o conto O Espectro

Direto do @carlisson no identi.ca:

Tirinhas, posts e podcasts da última semanaFontePeso
Veja a íntegra do pronunciamento da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU)Congresso em Foco6
Templates client-side com Mustache.jsTableles3
Mentirinhas - Caco 1202
Consultoria estima 1,2 milhão de relógios inteligentes em 2013Mundo sob Demanda2
CorruptecaFGR* Blog2
Mozilla se posiciona a favor do Marco Civil da InternetRevista Espírito Livre2
Um Sábado Qualquer - 1062 - Dúvidas1

Capitão Brasil #82

1
Aggregga: uma alternativa brasileira ao Google Reader com foco no socialInfowester1
Commodity Digital? Não sou facinhoPô, meu!1
Planeje a sua pós-vida digital com o gerenciador de contas inativasO blog do Google Brasil1
Recupere arquivos e até partições com o testdiskUbuntero1
Reunião em Curitiva em defesa do Estado Laico e contra a PEC 99/11Livre Pensamento1
Varejistas repassam desoneração e reduzem preços de smartphones da faixa sub-R$1500BR-Linux1

Foto usada no post: April, de bigcityal.

Special: 

Agenda Mundial #09 - Retorno

20 abr 2013

Agenda Mundia #09 - Retorno

É sábado e Claudia acorda com o despertador do celular. Liga a TV e vai ao banheiro começar o seu dia. Toma banho ao som daquela programação de madrugada.

A palestra... Até foi bacana, mas não deu pra aproveitar toda. Não com a cabeça no tablet.

Logo termina o banho, veste-se e abre um pacote de biscoito. Come com certa pressa, já que a viagem é hoje e precisa arrumar a bagagem.

Sente que vai levar boas lembranças daqui, mas o peso de sua bagagem é o que mais vai marcar.

 

- É, eu fiquei lá na academia mesmo. Por que não ficou lá?

Bernardo e Claudia conversam durante o voo de volta a Maceió.

- Não é apropriado.

- Sei, você é comprometida?

- Sim.

- Ah, mas a turma sabe se comportar, não precisava ter ido pra hotel não, já economizava dinheiro.

- …

- E se enturmava mais com o pessoal.

- Achei melhor assim.

- Tudo bem. Não posso nem te censurar. O Sertão também terminou preferindo ficar no hotel! Por ele nem me importo tanto, mas eu ia adorar se você tivesse ficado mais pertinho da gente.

Claudia sorri meio sem graça.

- E o que você achou da palestra?

- Boa.

- Foi, não é? Acho que esse tipo de valorização é o que falta no esporte, sabia? Chamar gente que já chegou mais longe pra falar pra molecada. Assim o povo se anima mais e vê que tem que levar o esporte a sério.

- Hmm-hum...

- A gente tá querendo trazer o Popó, mas agora que ele é político tá mais difícil, sabe? E você? Começou como no Boxe? Tá gostando?

- Eu e o Herbert começamos pra ter alguma atividade física.

- Entendo... E o que estão achando?

- Legal.

- As pessoas tem uma ideia errada do esporte. Se as pessoas soubessem como é, aposto como as academias estariam lotadas! Você faz o quê? É de Arapiraca mesmo?

- Sou professora.

- Bacana...

- Vou descansar um pouco, tá?

- Tudo bem. Se precisar de qualquer coisa, estou aqui pertinho.

 

- Está com fome?

- Não, obrigada.

O alarme sonoro toca anunciando a fala do piloto: Estamos nos aproximando do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. Tripulação, preparar para procedimento de aterrissagem.

As aeromoças começam a checar os passageiros, pedindo para que coloquem as poltronas em posição vertical e etc.

- Podemos almoçar no aeroporto, não é melhor?

- Vou almoçar em casa.

- Mas já é quase meio dia.

- Eu prefiro assim.

- Tudo bem, então a gente vai pra Arapiraca logo. Sem problema.

- “A gente”?

- É, você não volta comigo?

- Não, o Herbert veio me buscar, deve estar me esperando.

- Ahh... Que pena. Então tá.

 

Após uma despedida rápida, Claudia se afasta de Bernardo arrastanedo sua bagagem para encontrar Herbert.

- Oi, amor. Correu tudo bem na viagem?

- Correu sim. Tá com fome?

- Hmmm... Herbert... Vamos embora logo. Você está?

- Um pouco, mas pensei que você poderia estar com mais fome, já que acordou cedo pra viajar.

- Vamos embora, a gente come alguma coisa no caminho.

- Por mim tudo bem, vamos?

- Vamos. E tenho umas coisas bem interessantes pra te contar.

- Sobre o Sertão?

- Não necessariamente, mas já já eu te digo. Vamos embora logo que a gente tem que se livrar do porre desse irmão do Bart!

Minha Montanha

15 abr 2013

Um dia pensei já me conhecer
Da minha vida eu detinha o controle
Até que do nada você chegou
Meu castelo de areia se desfez

Um dia a gente se viu e apesar
Dos contratempos, foi um dia mágico
A despedida só deixou o vazio
Só não pensei que fosse durar tanto...

Um dia pensei que minha poesia
Era uma arma de grande poder
Mas não conhecia ainda o teu sorriso

Como dormir se logo estarei longe?
Como dormir se hoje você está aqui?
Que fazer? Minha montanha é você!

-- Cárlisson Galdino

Páginas